Uma conversa de 15 minutos com qualquer vendedor experiente já será suficiente para que você escute algumas vezes as palavras “cobrança”, “calote” e “discussão” e se, dentro de uma hora, ele não falar sobre algum amigo perdido por conta do seu trabalho de vendedor, você está, realmente, diante de uma excessão.

Perder amigos por conta de cobranças é uma das coisas mais comuns na vida de alguém que trabalha com vendas diretas, infelizmente.

Se você está se identificando com essa história, não será surpreendente se você ainda se lembrar com tristeza e amargura de um “golpe” desferido por um antigo amigo.

Culpar os outros é natural, principalmente quando nós agimos de boa fé e confiamos em alguém, que acaba traindo essa confiança.

Na vida, isso é muito fácil de compreender, mas, nos negócios, não.

E é aí que eu te convido a aceitar a sua “culpa” nessa história.

Se esse texto de aborrecer um pouco, é sinal de que ele está mexendo com a sua forma de ver as coisas, e isso é positivo, então respire e continue.

Todo empresário é responsável pelo seu negócio.

Não importa se você é dono de uma grande indústria ou um pequeno vendedor.

Se você é dono de um negócio, você é um empresário, mesmo que seja uma empresa de um funcionário só.

Você precisa fazer controle de estoque, controle de caixa, atendimento ao cliente, planos de crescimento e todas as outras tarefas inerentes ao gerenciamento de uma empresa, só que em menor escala.

Dentro desse negócio está a captação de clientes e é aí que muitos empreendedores vendedores erram.

Na ânsia de começar a vender, aceita-se vender para todos que queiram comprar e isso não é errado.

O problema é que não se considera os riscos da venda e isso deveria ser colocado em análise antes mesmo de começar.

Vender para a sua mãe não é uma má idéia, porém, caso sua mãe não pague você no dia combinado, você terá coragem de cobrar a pessoa que te sustentou durante um bom período da vida?

O mesmo vale para tios, madrinha, avós…

Sua “dívida” pessoal com essas pessoas, muitas vezes fará com que elas se tornem “impossíveis de cobrar” e no fim das contas, seu lucro pode ficar ali.

Sua melhor amiga, que tantas vezes emprestou roupas, sapatos ou cuidou dos seus filhos “de graça” quando você precisou, pode comprar muita coisa com você, mas, se ela não pagar espontaneamente, você terá coragem de cobrar?

Pense em tudo isso antes de sair “oferecendo” suas semijóias para o público ao seu redor.

Fazer a separação entre quem são seus amigos e quem são seus clientes, é um dos pontos que você deve levar muito à sério se decidir trabalhar com vendas.

Falaremos mais disso na próxima matéria.

Similar Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *